Cálculo para Compensar a Deformação da Imagem em Flexografia

3 Flares Twitter 0 Facebook 3 Filament.io 3 Flares ×

Cálculo para Compensar a Deformação da Imagem em Flexografia

Distorção Cilindro

 

Quando trabalhamos com Flexografia a arte final sofre uma pequena deformação para compensar a espessura do fotopolímero colado ao porta clichê.

Distorção no processo flexográfico

A distorção ou compensação é a adequação da arte para que seja possível ser utilizada pelo processo flexográfico.
Ela é aplicada somente em um sentido, o do desenvolvimento ou comprimento de impressão.
Na largura da (ou largura da máquina) não é necessário aplicar a compensação.
A distorção é necessária para compensar o GAP do diâmetro primitivo em relação ao cilindro porta clichês.
O GAP nada mais é que um espaço (diminuição do diâmetro do cilindro) entre o corpo do porta clichês e o diâmetro primitivo da engrenagem.
Esta diminuição no cilindro é resultado da soma da espessura do dupla-face mais a espessura do clichê multiplicado por dois.
O que isso quer dizer na prática?
Quer dizer que o cilindro porta clichês tem um perímetro menor que o diâmetro primitivo da engrenagem. Por este motivo o clichê não pode ter o comprimento total do repeat (perímetro) que é o resultado do diâmetro primitivo da engrenagem vezes a constante PI (3,14159…).
Existem fórmulas para o cálculo de distorção que levam em conta o Default do cilindro (padrão para que espessura de clichê e dupla face ele foi fabricado) e a espessura da fita que esta sendo empregada no momento da impressão.Caso você tenha a distorção de uma arte e posterior fabricação do clichê baseado nesta, e usou uma fita de espessura de 0,38mm se esta fita for alterada no momento da montagem do clichê para mais ou para menos poderá haver desencaixes na impressão ou no corte e no caso de embalagens a perda do passo de fotocélula em alguns milímetros, dependendo da embalagem (seu dimensional) isso será insignificante, mas no caso de um papel de bala a perda de dois milímetros por exemplo pode cortar um texto.
CÁLCULO DO PERCENTUAL DE DISTORÇÃO
O percentual de redução (Distorção %) que deve ser aplicado no original para compensar a distorção é determinado pela seguinte fórmula:
Distorção %  =  K / R x 100
O fator K que varia com espessura da chapa é determinado pela fórmula:
K = 2 x Pi x (espessura da chapa – espessura do poliéster de base)
O valor do Pi (aproximado) é de 3,14156 o poliéster de base da maioria das chapas de fotopolímero é de 0,127mm de espessura. Informação geralmente contida na ficha técnica do material. Também é possível descolar a base, separando-a do fotopolímero e medir com um paquímetro digital ou micrômetro.
Aplicando a fórmula para a chapa de 1,14mm temos:
K = 2 x 3,14156 x (1,14 – 0,127) = 6,2831 x 1,013 = 6,364
Calculando para as demais espessuras de chapas, relacionamos os seguintes valores de K:
Espessura (mm)  Fator K 
1,14                            6,364
1,70                            9,883
2,84                           17,046
3,94                           23,759
5,00                           30,617
6,35                           39,099

Conhecidos os fatores K retornamos à primeira fórmula para calcular o percentual de distorção necessário para um clichê de 1,14mm de espessura e cilindro de 400,0mm de repetição.

Distorção % = K/R x 100
Distorção % = 6,364/400,0 x 100 = 1,591%

Aplicando o percentual de distorção no original de 400,0mm, temos:

Medida do original distorcido = 400,0 – 1,591% = 393,636

Para um cilindro de R 300,0mm com clichê de 1,14mm:
Distorção % = 6,364/300,0 x 100 = 2,121%
Medida do original distorcido = 300,0 – 2,121% = 293,636

Para um cilindro de R 200,0mm com clichê de 1,14mm:
Distorção % = 6,364/200,0 x 100 = 3,182%
Medida do orginal distorcido = 200,0 – 3,182% = 193,636

Os cálculos mostram que o original deve ser distorcido percentualmente em 1,591; 2,121 e 3,182% no sentido da impressão, respectivamente para os cilindros de 400, 300 e 200 milímetros de repetição.

Note que o percentual de redução é inversamente proporcional ao aumento da longitude de repetição, ou seja o percentual de distorção aumenta na mesma proporção da redução do diâmetro do cilindro.

FÓRMULA SIMPLIFICADA
Examinando os resultados da fórmula apresentada, podemos constatar que a medida calculada com diferentes percentuais de redução é sempre a mesma, independentemente do diâmetro do cilindro.  E que esta medida corresponde exatamente ao fator K aplicado. Isto acontece porque, as variáveis na fórmula são de fato, os percentuais de redução para os diferentes comprimentos de repetição e não os valores da redução. Esta constatação permite a simplificação da fórmula acima para:

Medida distorcida da repetição = R – K

Testando a nova fórmula nos exemplos acima temos:
Medida distorcida para cilindro de 400mm = 400 – 6,364 = 393,636
Para cilindro de R 300mm = 300 – 6,364 = 293,636
Para cilindro de R 200mm = 200 – 6,364 = 193,636

Observe que os valores obtidos com a fórmula simplificada coincidem com os resultados da fórmula do cálculo percentual. Entretanto, esta fórmula só pode ser aplicada para calcular a medida do comprimento total da repetição. Para calcular a distorção de algum elemento do original ou de cada passo de múltiplas repetições, é necessário recorrer à fórmula do cálculo percentual.

IMPORTANTE
Embora, o resultado obtido com todos os cálculos seja um valor de redução, empregamos o termo distorção ao invés de redução porque em artes gráficas, este último é geralmente utilizado para designar uma diminuição proporcional de todo o original, enquanto que aqui, estamos considerando a redução de um dos lados do original.

Para assegurar a precisão nos cálculos e não “distorcer” o valor da distorção considere sempre pelo menos três casas decimais. A precisão das medidas torna-se crítica quando há necessidade de impressões contínuas ou repetições de imagens definindo passos precisos em cada repetição ao longo da bobina.